Clique aqui e inscreva-se

Graxa para Altas Temperaturas

Para se fazer a correta seleção de graxa para altas temperaturas, outros importantes fatores devem ser considerados.

Já o termo “alta temperatura” é relativo pois, por exemplo:

  • Em caso de alguns rolamentos no setor siderúrgico, 120ºC a 150ºC pode ser considerada faixa de alta temperatura, porém tem como agravante a questão de altas cargas e / ou locais de difícil acesso a lubrificação como o SYN 1602.
  • Em outros casos como o veicular, 200ºC pode ser considerado alta temperatura, no entanto, em caso de juntas homocinéticas ou outras articulações próximas ao escapamento, com possibilidade de sujeira acumulada, ou impacto sob carga variável a que o rolamento é submetido, são importantes fatores complementares a questão da temperatura como o 1552.
  • Ainda, em outros casos como em fornos alimentícios, 300ºC pode ser considerado alta temperatura porém, dificuldade de relubrificação ou necessidade de o lubrificante ser atóxico (grau NSF) pode ser um complicador para esta aplicação como Synxtreme FG.

Como selecionar a graxa para altas temperaturas?

Graxas são misturas de óleo base, espessantes e aditivos formuladas para lubrificação de conjuntos em suas condições específicas de operação. No presente caso, a temperatura de trabalho é um dos fatores predominantes da formulação.

Óleo base

O óleo base é um dos principais responsáveis pelo poder de lubrificação da graxa. Existem diversos tipos de óleo base a serem utilizados na formulação da graxa. Geralmente eles são separados em dois grandes grupos; os óleos minerais e os óleos sintéticos.

Óleo minerais possuem como característica o refino enquanto os sintéticos são manipulados para alcançar propriedades específicas. Graças a esta “manipulação”, são obtidas propriedades melhores que as do óleo mineral. Uma destas propriedades é justamente a resistência a altas temperaturas.

Espessantes

Os espessantes tem por função principal “juntar” os demais componentes formando uma graxa homogênea. Sendo assim, a resistência térmica do espessante no caso de graxas para altas temperaturas é de extrema importância.

Aditivos

Os aditivos selecionados para a fabricação de graxa também devem ser vistos como partes do todo, ao invés de simplesmente como partes discretas que devem resistir a limites de teste definidos. Os aditivos tendem a fornecer propriedades as graxas de maneira semelhante as dos óleos lubrificantes: estabilidade à oxidação, resistência à corrosão, resistência ao desgaste, características de fluxo em baixa temperatura, resistência à água etc.

O aditivo deve ser capaz de funcionar sinergicamente com o espessante e o óleo para levar a graxa ao patamar de uma mistura estável e equilibrada dos três distintos componentes.

Para saber mais sobre a Lubriplate, entre neste link. Para ir ao site do fornecedor, neste link.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Leia também

Reparo em Bombas de Incêndio com Resinas Epóxi

Reparo em bombas de incêndio é essencial para garantir a segurança e a eficácia dos sistemas de combate a incêndios. Então uma técnica cada...

Desafios de Vedação de Turbinas? BIRKOSIT é a Solução

Na vanguarda da inovação industrial, a Leidinger, com mais de 25 anos de experiência, orgulhosamente apresenta o Kit de Vedação BIRKOSIT. Assim sendo este...

Spray Anti Respingo. A solução para soldas MIG/MAG

Spray Anti Respingo Cerâmico Weicon: A Vanguarda da Proteção em Soldagem O processo de soldagem é uma das operações industriais mais comuns, mas também uma...

O Que é uma Graxa Dielétrica e Quando Utilizar?

No mundo da manutenção automotiva e industrial, a graxa dielétrica é frequentemente um produto subestimado, no entanto, é altamente eficaz. Nesse contexto, o Lubriplate...